Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2016

Antropologia

Comecei a ter aula de Antropologia agora no segundo semestre da faculdade e como nunca tinha tido, estou achando uma experiência interessante, compartilho aqui um trabalho que fiz com uma colega de sala respondem as questões de um texto de Laplantine "Pensar a Antropologia":

Antropologia é uma ciência que estuda o ser humano em sua sociedade e cultura. A emergência dela como ciência na Europa está relacionada às mudanças nas estruturas da sociedade européia como o surgimento e o crescimento significativo dos centros urbanos, provocada pela Segunda Etapa da Revolução Industrial, tais mudanças levaram uma nova lógica social e o surgimento do burguês (dono do capital - explorador) e o operário (força de trabalho - explorado). Outros fatores como cientificismo, o deslocamento das pessoas do campo para a cidade industrial, revolução/reformas urbanas, a crise de abundância na Europa provocada pelo colonialismo, e a partilha da África foram também  aspectos relevantes. Por consequên…
Estou sem sono, como em todas as noites nos últimos meses...

Irracional Man e a Banalidade do mal

Hoje entre leituras, filmes e pensamentos resolvi assistir o filme de Woody Allen "Homem Irracional", estreou faz tempo, mas eu sou assim, não consigo ver nada que estreie que não seja no cinema.

    Me surpreendi bastante, de primeira pelo personagem principal ser um professor de Filosofia, (ele estava dando uma aula sobre Kant e o imperativo categórico no início do filme), que bebe exageradamente, parece ser bastante depressivo, pessimista, niilista e tem uma visão de mundo bastante excêntrica. Os filmes do Allen ultimamente tem uma fórmula pronta: Homem cinquentão + mulher de 20, fato pelo qual eu deixei de assistir alguns como Magia ao luar, mas esse me chamou atenção e resolvi dedicar meu tempo a vê-lo.

     Entre o enredo e as conversas de elite americana típica nos filmes dele, me chamou atenção que o professor queria escrever um livro sobre Heidegger e a Banalidade do mal e o mesmo sendo um filósofo que trabalha com "ideias", resolve colocar realizar …

Fritz Lang e e o cinema

Ontem a noite assisti um documentário do diretor Fritz Lang e em uma parte ele contava sua experiência com o Nazismo, quando foi chamado por Goebbles (ministro da propaganda) para criar um "cinema" específico para o regime. Lang disse que sentiu pânico, ficou petrificado e a única coisa que conseguia pensar era: "How do I get out of here?" e olhava para janela e via um relógio e percebia pelo horário que os bancos estavam fechando. Isso aconteceu em sua juventude, mas estava fresco nessa entrevista onde pouco antes de sua morte, já bem idoso faz esse relato.       Fiquei as voltas, imaginando como deveria ter sido, o sentimento de terror que ele sentira, como deveria ser viver cotidianamente com o medo e a barbárie. Ademais contou histórias de seus filmes e disse como em sua juventude acreditava em destino, e naquela momento da vida ( o doc é de 1975) o único destino que ele acreditava era aquele que o próprio indivíduo faz.             Uma outra questão que ele abo…

Trabalho de Filosofia sobre o filme Vanilla Sky

1 - Qual é a ideia central do filme?
         A ideia central do filme trata de como os sentidos podem iludir os indivíduos, fazendo-os por vezes acreditar naquilo que não aconteceu, não existe, ou existe apenas na mente. Ele também mostra que não se pode ter certeza daquilo que se sabe, se o momento presente é real, pois existe a possibilidade de as pessoas serem enganadas por seus sentidos por meio de sonhos ou alucinações.
   A personagem David Aimees está congelada, mas sua vida mental está acontecendo, ele esta tendo o que no filme é chamado sonho lúcido com mémorias criadas por ele inspiradas em suas vivenciais . No entanto, seu sonho se transforma em pesadelo , pois, seu subconsciente começa a interferir em seus sonhos fazendo-o vivenciar situações traumaticas. O que leva  a personagem a descobrir que tudo que esteve vivenciando durante 150 anos foi um sonho, e optando por sair deste estado e voltar a viver em sociedade. O filme leva a reflexão sobre a percepcao que as pessoa…

Trabalho de Filosofia sobre o filme Matrix

No filme Matrix a personagem Neo é uma programador de computador que
descobre estar vivendo numa realidade virtual e que seu corpo na verdade está preso
a um sistema e servindo de nutrição e forma de energia para um mundo controlado
por máquinas. Após essa descoberta a personagem passa a perceber que toda a vida
que viveu anteriormente não passa de uma ilusão, uma realidade criada para controlar
a mente dos indivíduos. Ele entende que a percepção que ele tem do mundo e a
realidade que ele “vive” são diferentes.

      Logo, o filme tem como ideia central a impossibilidade da mente de distinguir o
que é real ou não. No filme mente e corpo não são unidades distintas, pois se um
indivíduo morre dentro da Matrix que é uma realidade virtual onde a mente se encontra
inserida em uma espécie de “sonho” ele morre também fora dela.
Desse modo, a cena que mais chama atenção no filme é a do almoço onde as
personagens começam a discutir sobre o gosto do alimento que eles estão comendo.
O ga…

Trabalho de Filosofia sobre o filme: Cidade dos Sonhos

No filme Cidade dos Sonhos de David Lynch a ideia central trata da impossibilidade real de diferenciar  sonho, realidade e ilusão, e também de como se pode distinguir a vida mental  do sujeito acordado da vida mental  quando em  sonho ou dormindo. Além disso ele mostra como o  inconsciente e as ações influenciam nos sonhos e  alucinações dos sujeitos.
         A obra  que se passa em fluxo de consciência conta a história da personagem Betty  que é atriz e se muda para Los Angeles para realizar seu desejo de trabalhar em Hollywood após a morte de sua tia. Logo no início do filme, a câmera  imerge em um travesseiro dando a impressão de que alguém está indo dormir e, portanto, tudo que se passa adiante se trata de um sonho no qual  tudo é idealizado e perfeito fazendo com que os espectadores desconfiem da veracidade das situações.            No entanto, na parte final do filme dá-se conta de que os personagens do sonho são pessoas que Betty viu durante seu dia-a-dia, e que seu inc…

Trabalho de Filosofia sobre o filme O homem Bicentenário

O filme “O homem Bicentenário” trata de inteligência artificial, livre-arbítrio e da possibilidade das máquinas tornarem-se auto-conscientes. Num futuro próximo um andróide de nome Andrew Martin vai morar com uma família para se tornar empregado da casa, e ao chegar na casa ele se mostra sensível aos estímulos e comportamentos que observa a sua volta, sendo que, aos poucos começa a se assemelhar a um ser humano em características como  amor, ciúmes, curiosidades, inteligência e etc.                 Com o passar do tempo, Andrew aprende variadas habilidades manuais, começa a ler e criar seus próprios objetos e invenções. No entanto, a partir do momento que começa a estudar a História humana o andróide se enche de questões sobre sua condição e seu lugar no mundo percebendo sua condição de não livre. Logo depois,  o andróide para de chamar-se de “isto”, pedindo a seu dono que o liberte em troca de uma quantia de dinheiro. Desse modo então, Andrew inicia sua busca e  luta …

Trabalho de Filosofia sobre o filme Ex-Machina

O tema central do filme Ex-Machina é os limites que se estabelecem entre o humano e máquina. O filme conta a história de Ava que é um robô construído por  Nathan um gênio da informática  que a faz bastante similar ao ser humano cognitivamente. Nathan contrata um dos  funcionários de sua empresa para fazer o teste de Turing em sua máquina para ter certeza se ela tem consciência ou não. O objetivo  inicial de Nathan é mostrar  a Caleb  que Ava é um robô e depois fazer com que o programador ainda sinta que ela tem consciência, que possa se passar por um ser humano.           No entanto,  Caleb começa a envolver-se sentimentalmente com a máquina que demonstra emoções e estados mentais muito característicos dos seres humanos, o que impressiona o programador. No decorrer do filme Ava se mostra descontente com o fato de ficar presa e deseja sair. Caleb percebe  então que o software não é determinista,  e sim causal e automático, pois, é um sistema  consciente da própria conciência …