Trabalho de Filosofia sobre o filme Matrix


       No filme Matrix a personagem Neo é uma programador de computador que

descobre estar vivendo numa realidade virtual e que seu corpo na verdade está preso

a um sistema e servindo de nutrição e forma de energia para um mundo controlado

por máquinas. Após essa descoberta a personagem passa a perceber que toda a vida

que viveu anteriormente não passa de uma ilusão, uma realidade criada para controlar

a mente dos indivíduos. Ele entende que a percepção que ele tem do mundo e a

realidade que ele “vive” são diferentes.

     

      Logo, o filme tem como ideia central a impossibilidade da mente de distinguir o

que é real ou não. No filme mente e corpo não são unidades distintas, pois se um

indivíduo morre dentro da Matrix que é uma realidade virtual onde a mente se encontra

inserida em uma espécie de “sonho” ele morre também fora dela.

Desse modo, a cena que mais chama atenção no filme é a do almoço onde as

personagens começam a discutir sobre o gosto do alimento que eles estão comendo.

O garoto diz para Neo que a mistura que eles comem tem gosto de mingau de milho,

mas é rebatido por sua colega que diz que ele nunca comeu aquilo, pois na Matrix

onde ele provou o mingau, o mesmo não era real, era somente uma ilusão

computadorizada. O garoto rebate a colega e ainda diz que mesmo as máquinas

podem também estar enganadas sobre o sabor do alimento que criaram no programa.



      Sendo assim, essa cena se relaciona com o argumento do erro dos sentidos nas

Meditações de Descartes, onde ele afirma que não se pode conhecer as coisas pelos

sentidos porque eles por muitas vezes nos enganam e não podem ser confiáveis como

fonte de conhecimento. Pode-se relacionar também Matrix ao filme “Ilha do medo”

onde à personagem principal Edward Daniels imagina estar vivendo numa realidade

todo o tempo quando na verdade está alucinando sobre uma realidade que não existe,

tendo sido, portanto, enganado por seus sentidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rory Gilmore Book Project

Suicídio

Antropologia